Ação Social

Home/Ação Social
Ação Social 2017-02-13T15:04:05+00:00
PROJETO – CANTANDO NOS TERREIROS DO POVO
João Pessoa – Paraíba

O Projeto Cantando nos Terreiros do Povo foi fundado em em 2013, sob intuição da Associada Vera Lima, cantora e compositora paraibana, em parceria com amigos, artistas locais populares e com a Congregação de Nossa Senhora – CSA. Quem faz este projeto: pessoas voluntárias, comprometidas com as lutas populares, com liberdade de participação pontual.

Tem como filosofia a convicção de que a música é um dom a ser partilhado com quem não tem acesso a shows, festivais e apresentações artísticas. Neste caso, shows culturais populares, a que se propõe. Faz parte da filosofia do projeto a participação livre e pontual, com base na gratuidade de seus dons e na acolhida dos participantes. Acredita-se que música e arte transformam pessoas e consequentemente sociedades.

A finalidade do projeto Cantando nos Terreiros do Povo é permitir que moradores dos assentamentos rurais, tenham acesso a música de qualidade e ao resgate da cultura local. Por falta de opção, moradores da zona rural estão perdendo o contato com a sua cultura e aderindo à cultura introduzida pela mídia, nem sempre adequada à realidade de suas vidas, trabalho e crenças. Por isso, a equipe acredita que levando música, dança, arte e folclore aos assentamentos e resgatando hábitos costumes e tradições das pessoas, se poderá reverter ou retardar, em cada local, o processo de perda de suas raízes. Entre os ritmos contemplados destacamos a MPB, o forró, o xaxado, o baião, o coco de roda, a cantiga de roda, a ciranda, o cordel, bem como poesia e adivinhação.

Os beneficiados do projeto Cantando nos Terreiros do Povo são moradores de todos as idades, raças, gênero e credos. Apoiado pela Caritas Arquidiocesana, pelos antigos bispos Dom José Maria Pires, Dom Marcelo Pinto Cavalheira e várias Congregações Religiosas, o projeto também atua fortemente em mobilizações populares de caráter sócio-político-formativo levando música ao campo, às ruas, becos, favelas e praças.

Como parceria, a Congregação de Nossa Senhora CNS conta com: Ir. Maria das Graças do Nascimento – Assistente Social, Educadora Popular, Mestre em Direitos Humanos, Cidadania e Políticas Públicas, com Especialização em Desenvolvimento Social. Com experiência em coordenação de Projeto do CCFD (1997 a 2001), no Movimento de Luta Por Moradia, em João Pessoa-PB. É membro da Equipe do Projeto Cantando nos Terreiros do Povo e trabalha a sistematização das atividades.
Pela Equipe do Projeto Cantando no Terreiro do Povo: Veralucia de Lima Silva – Associada, Psicóloga, Professora, Educadora Popular e fundadora do “Cantando nos Terreiros do Povo”. Tem experiência de trabalho no atendimento em Grupos de Mulheres, com Crianças e Adolescentes, em Organizações Populares, Escolas e como Professora Universitária.

Estrutura e Organização

O Terreiro é uma articulação. Não tem sede. Utiliza a metodologia da educação popular. As atividades são iniciadas em janeiro e finalizadas em dezembro de cada ano. A coordenação e articulação das atividades são feitas em equipe. Não se trabalha com padrão pré-estabelecido e a preparação se dá em conjunto com membros da comunidade e dos assentamentos rurais circunvizinhos, em diferentes etapas.

Os ensaios e as reuniões preparatórias acontecem no espaço de realização do Terreiro. A comunidade opina, sugere, propõe e colabora nas decisões e realizações. Há um grupo virtual com o mesmo nome e está no face. A acolhida da equipe do Terreiro fica a critério do assentamento e acontece no 3º sábado de cada mês, à tarde ou noite, da seguinte forma:

Uma apresentação mensal com a participação de toda a equipe, do povo a quem se destina e simpatizantes. No São João inclui-se apresentações específicas das festas juninas e, no Natal, confraternizações. São realizados, no mínimo, dois encontros para ensaio  e planejamento das atividades.

Um desafio do projeto é assegurar mensalmente o transporte para a equipe dos músicos e seus instrumentos. Os poucos carros não comportam a demanda da equipe ampliada que chegou a aproximadamente 30 pessoas.

A Equipe Permanente é formada por Veralucia de Lima (cantora); Lourenço Mola (sanfoneiro), Milton (pandeiro e voz), Iremar Matias (técnico em som), Moisés (guitarra), Saulo (zabunba e voz), Joana D’Arc (registro fotográfico), Relpe (apoio geral), Dandara (apoio), Maria Cecília (canto e dança), Gabriela, Maria das Graças (sistematização).

Equipe Ampliada é uma rede flexível de simpatizantes e colaboradores: Juliano Jamesson (atividades culturais de integração entre o público e a equipe); Suelene (canto, dança e Animação); Lucas (sanfona); Mario Inácio (danças e cantos populares); Manoel Costa (danças, música e cultura nordestina); Márcio de Paula (domínio de instrumentos musicais); Fernando José Cabral – (apoio geral e danças típicas nordestinas); Priscilla Oliveira (produção cultural e mídia); Maria da Guia Almeida (apoio geral); Maria do Socorro Oliveira (apoio geral); Helena Flávia (incentivo à dança popular); Suêldes Araújo (apoio geral, dança e animação), entre outros.

A Equipe de Articulação dos trabalhos é formada em cada local de apresentação. Depende da oferta cultural dos participantes e de convites de iniciativas da comunidade ou do assentamento onde acontece o Terreiro. São educadores populares, professores, coordenadores de comunidades, organizações, pessoas com ou sem experiência em trabalho social, político ou comunitário, na capital ou em municípios da Paraíba e de outros Estados. Há um grupo de interação virtual com o mesmo nome.

O Projeto Cantando nos Terreiros do Povo é Projeto Cultural Popular de poucos recursos financeiros e uma pérola em recurso de pessoal e humano.

Ir. Maria das Graças , Congregação de Nossa Senhora Cônegas de Santo Agostinho